sexta-feira, 7 de junho de 2013

Amor Impossivel

                                                                          
                                                                              Um dia calmo
 o sol punha-se no horizonte
 tudo parecia nada
 tudo era vazio
 a minha vida parecia não fazer sentido.

até ela aparecer
começamos a falar
até o momento em que ela foi-se embora
e eu disse
ao menos diz-me o teu nome



Eu sou uma gaivota
vivo desencontrado de mim
não posso amar ninguém

tu és o meu destino
já estava escrito

mas era um amor proibido
era um amor impossível.
                                          by Lenine Vieira Rocha

2 comentários:

Anónimo disse...

Uau, está muito bom, fiquei surpreendido com a tua maturidade poética. Parabéns Lenine. Um grande abraço a partir de Abrantes.

Lenine Vieira Rocha disse...

Obrigado, as tuas palavras são encorajadoras, fico muito contente por vir de Abrantes pois aprendi muito la e fui muito feliz. Abraço